Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 08/Jun/2011 às 12:21
0
Comentários

Gilad Atzmon: tenho nenhum respeito pela grande mídia

Por Silvia Cattori
Atzmon é um renomado músico com espírito crítico apurado
O saxofonista de jazz Gilad Atzmon tem um blogue onde denuncia a política de seu país de origem, Israel. Ele não tem medo de dizer sem rodeios aquilo que acredita ser a verdade, é impenetrável ao conceito de autocensura. E fala aqui sobre o quão pouco respeito tem pela mídia ocidental.
Silvia Cattori – Suas análises políticas, traduzidas para dezenas de línguas, atingem um grande número de leitores na web. Para quem exatamente você escreve?
Gilad Atzmon – Escrevo principalmente para mim. Tento entender o mundo à minha volta. Há uns anos, entendi que muita gente por aí está interessada nos pensamentos com os quais me deleito, então eu comecei a deixar outras pessoas terem acesso à minha mente destrutiva em ebulição.
Cattori – Num tempo em que a imprensa chegou ao seu ponto mais baixo, você está entre aqueles que continua a ler jornais?
Atzmon – Não, há muitos anos não compro jornais porque estou interessado no Oriente Médio, e a grande mídia tem muito pouco a oferecer nesse sentido. Provavelmente o único especialista na mídia britânica ou mesmo na mídia que fala inglês é Robert Fisk. Se eu quiser saber o que acontece no Oriente Médio, eu vou ao “Counterpunch”, ao “Information Clearing House”, “Veterans Today”, “Rense.com”, “Uprooted Palestinian”, “PalestineTelegraph”, “Palestine Chronicle”, “Dissident Voice”, “Uruknet”, e outros ótimos sites.

Leia mais: Palestinas são abusadas em prisões israelenses

Nossos websites e blogues são muito mais informativos que a grande mídia. Somos os especialistas, estamos nos tornando a maior fonte de informação. E vejo o tanto de pessoas que visita meu site. Se há uma crise em Gaza, por exemplo, eles querem saber o que Gordon Duff, Ramzy Baroud, Alan Hart, Israel Shamir, Alex Cockburn ou Ali Abunimah tem a dizer sobre. E tenho zero respeito pela grande mídia. Se a grande mídia deseja sobreviver, é melhor se mexer rapidamente, do contrário, estará acabada.

Cattori – A desinformação sobre Israel não se relaciona ao fato de que jornalistas honestos são, eles mesmos, objetos da propaganda israelense? 
Atzmon – No que concerne à Grã-Bretanha, está longe de ser um segredo que os maiores apoiadores da guerra criminosa de Blair contra o Iraque foram os jornalistas David Aaronovitch e Nick Cohen, ambos que escrevem também para o notório. Acho que essas pessoas agora estão expostas. Como digo frequentemente, “a maré mudou”.
Cattori – Nós vemos os mesmos mecanismos de censura e controle de informação funcionando na nova mídia alternativa. Qualquer um que possa discordar do programa dos donos dos sites é censurado.
Atzmon – Acho que isso é normal. Você tem que se lembrar que todo discurso é, na prática, um conjunto de limites. Isso deve explicar porque o artista é muito mais efetivo do que o agitador marxista ou mesmo que o acadêmico. Enquanto o marxista ou o acadêmico estão ali para manter os limites, o artista está ali para apresentar uma realidade alternativa. Minha escolha é obviamente clara, sou um artista.
Cattori – Em sua opinião, a imprensa israelense é mais livre que a nossa?
Atzmon – Interessantemente, a imprensa israelense não é livre, mas ainda é mais aberta do que a mídia ocidental. Apesar da censura, é aberta a discussões sobre questões judaicas e mais crítica sobre o Estado de Israel do que o Guardian, o The New York Times ou mesmo o Socialist Worker. Aliás, mesmo o Zionist Jewish Chronicle (JC) do Reino Unido é mais aberto que o Guardian. Eu estive no JC onde li uma reportagem sobre as implacáveis tentativas de David Miliband em alterar as leis britânicas universais de jurisdição.
Cattori – Apesar da dureza de suas críticas contra Israel, o jornal diário israelense Haaretz ou o canal Arte não te censuraram. É o grande músico de jazz ou o oponente israelense que ganha o interesse da mídia? Isso seria um sinal de que alguma coisa mudou?
Atzomn – Ambos, acredito. Eu sou interessante para eles em sentidos diferentes. Ofereço a eles uma oportunidade de dizer o que pensam exatamente onde eles não têm coragem de dizê-lo. De qualquer forma, o título de meu novo álbum é “The Tide Has Changed” (A Maré Mudou). Algo está mudando e é grande, muito muito grande, na verdade. Vejo que mais pessoas admitem que meus escritos tem se tornado influentes. Na Grã-Bretanha posso dizer que sou bastante famoso em certos círculos. Quando eu faço turnês ao redor do mundo eu dou muitas entrevistas e palestras. Eu também tenho alguns inimigos que tentam me silenciar e se esforçam para cancelar meus shows e palestras. Como você vê, eles falharam todas as vezes. Eu ainda estou chutando e não tenho planos de parar.
Forum

Comentários