Redação Pragmatismo
Compartilhar
EUA 13/May/2011 às 18:15
22
Comentários

Perfeito Raio-X do cidadão norte-americano

Numa época em que os norte-americanos viviam um grande desenvolvimento material e os seus sentimentos nacionalistas faziam crer que grande parte desse progresso era resultado de um esforço autóctone, o antropólogo Ralph Linton escreveu um admirável texto sobre o começo do dia do homem americano. Confira abaixo:

LINTON, Ralph. O homem: Uma introdução à antropologia. 3ed.

– O cidadão norte-americano desperta num leito construído segundo padrão originário do Oriente Próximo, mas modificado na Europa Setentrional, antes de ser transmitido à América. Sai debaixo de cobertas feitas de algodão, cuja planta se tornou doméstica na Índia; ou de linho ou de lã de carneiro, um e outro domesticados no Oriente Próximo; ou de seda, cujo emprego foi descoberto na China. Todos esses materiais foram fiados e tecidos por processos inventados no Oriente Próximo. Ao levantar da cama faz uso dos “mocassins” que foram inventados pelos índios das florestas do Leste dos Estados Unidos e entra no quarto de banho cujos aparelhos são uma mistura de invenções européias e norte-americanas, umas e outras recentes. Tira o pijama, que é vestiário inventado na Índia e lava-se com sabão que foi inventado pelos antigos gauleses, faz a barba que é um rito masoquístico que parece provir dos sumerianos ou do antigo Egito.

Voltando ao quarto, o cidadão toma as roupas que estão sobre uma cadeira do tipo europeu meridional e veste-se. As peças de seu vestuário tem a forma das vestes de pele originais dos nômades das estepes asiáticas; seus sapatos são feitos de peles curtidas por um processo inventado no antigo Egito e cortadas segundo um padrão proveniente das civilizações clássicas do Mediterrâneo; a tira de pano de cores vivas que amarra ao pescoço é sobrevivência dos xales usados aos ombros pelos croatas do séc. XVII. Antes de ir tomar o seu breakfast, ele olha ele olha a rua através da vidraça feita de vidro inventado no Egito; e, se estiver chovendo, calça galochas de borracha descoberta pelos índios da América Central e toma um guarda-chuva inventado no sudoeste da Ásia. Seu chapéu é feito de feltro, material inventado nas estepes asiáticas.

Leia também

De caminho para o breakfast, pára para comprar um jornal, pagando-o com moedas, invenção da Líbia antiga. No restaurante, toda uma série de elementos tomados de empréstimo o espera. O prato é feito de uma espécie de cerâmica inventada na China. A faca é de aço, liga feita pela primeira vez na Índia do Sul; o garfo é inventado na Itália medieval; a colher vem de um original romano. Começa o seu breakfast, com uma laranja vinda do Mediterrâneo Oriental, melão da Pérsia, ou talvez uma fatia de melancia africana. Toma café, planta abssínia, com nata e açúcar.

A domesticação do gado bovino e a idéia de aproveitar o seu leite são originárias do Oriente Próximo, ao passo que o açúcar foi feito pela primeira vez na Índia. Depois das frutas e do café vêm waffles, os quais são bolinhos fabricados segundo uma técnica escandinava, empregando como matéria prima o trigo, que se tornou planta doméstica na Ásia Menor. Rega-se com xarope de maple inventado pelos índios das florestas do leste dos Estados Unidos. Como prato adicional talvez coma o ovo de alguma espécie de ave domesticada na Indochina ou delgadas fatias de carne de um animal domesticado na Ásia Oriental, salgada e defumada por um processo desenvolvido no Norte da Europa.

Acabando de comer, nosso amigo se recosta para fumar, hábito implantado pelos índios americanos e que consome uma planta originária do Brasil; fuma cachimbo, que procede dos índios da Virgínia, ou cigarro, proveniente do México. Se for fumante valente, pode ser que fume mesmo um charuto, transmitido à América do Norte pelas Antilhas, por intermédio da Espanha. Enquanto fuma, lê notícias do dia, impressas em caracteres inventados pelos antigos semitas, em material inventado na China e por um processo inventado na Alemanha. Ao inteirar-se das narrativas dos problemas estrangeiros, se for bom cidadão conservador, agradecerá a uma divindade hebraica, numa língua indo-européia, o fato de ser cem por cento americano.

Recomendados para você

Comentários

  1. krinne Postado em 22/Dec/2011 às 20:57

    Amei esse texto.O tão falado "orgulho americano" esmiuçado de uma forma bem criativa e cômica.

  2. Frank Postado em 13/Apr/2012 às 09:01

    "...,se for bom cidadão conservador, agradecerá a uma divindade hebraica, numa língua indo-européia, o fato de ser cem por cento americano." Alguém poderia me esclarecer qual é a divindade a que se refere o texto?

  3. Silvio Postado em 09/Aug/2012 às 16:06

    Frank, Jesus Cristo era um Judeu e o Inglês é um a língua indo-européia.

  4. Flabis Postado em 02/Sep/2012 às 10:32

    Com o "norte-americano" vocês estão incluindo aí o México e Canadá também?

    • Rita Postado em 25/Sep/2014 às 10:34

      bem lembrado... rsrs

  5. Pedro Postado em 02/Sep/2012 às 13:18

    Nops, o cidadão estadunidense ainda é chamado de norte-americano ou só americano. Enquanto os mexicanos são 'só' mexicanos, e os canadenses.... canadenses!

  6. Henrique Pacheco Postado em 04/Mar/2013 às 21:55

    ... Gostaria de saber de onde foi tirado que lá o "café da manhã" possui frutas, leite e café. Principalmente o café no período da manhã é um costume unicamente brasileiro. Mas ok, deu para entender o texto e a intenção.

    • Cesar Postado em 15/Oct/2013 às 11:14

      O cara é um antropólogo estado unidense, faz um texto inteligente e divertido e tu ficas pagando sapo q conhece os costumes de lá, cara chato.

  7. Bu Postado em 04/Mar/2013 às 21:55

    Que inteligente.

  8. itzak shylock Postado em 04/Mar/2013 às 21:59

    Olá. Ótimo texto. Poderíamos fazer similar comparação com um cidadão brasieliro, que atualmetne tem adorado considerar coisas de fora como ruins, buscando um "BRASILIANISMO" pueril. VAle lembrar, que tudo ali funciona tb pra todos os outros países. Mas se formos fazer uma história similar para um brasileiro comum, surgirão mais referências aos EUA que achamos. Então o técnico é ótimo, mas cuidado os anti-americaniscas ao usarem este texto em seus esforços, com o risco de ficarem (algo que normalmetne já o fazem) incoerentes. Adorei o texto ..

  9. Pedro Postado em 04/Mar/2013 às 23:08

    Ou....... fazem o que melhor fazem: aproveitam o melhor do mundo a seu favor. Ou não?!

  10. Renato Postado em 03/Apr/2013 às 14:30

    O único problema é a generalização. Do mesmo jeito que nem toda brasileira é uma Joelma, e nem todo brasileiro é um Chimbinha, nem todo americano é um Homer Simpson. Essas generalizações são a origem do preconceito e da intolerancia, que são sintomas de um atraso intelectual muito grande.

  11. joao Postado em 04/Apr/2013 às 16:31

    Parece que o autor por mais sagaz com tom humorístico seja, nunca viu televisão no Brasil. Se ele televisionar por 5 segundos garantidamente esse texto é perfeitamente adaptável ao cidadão mediano brasileiro. É de uma atroz ignorância considerar e desprezar o americano como burro. São simplesmente a maior potência do mundo, com as melhores universidades e uma distribuição mais correta da sua riqueza.

  12. Tert Postado em 04/Apr/2013 às 23:56

    Que estupidez! O brasileiro faz tudo isso também, e daí? O progresso é da humanidade. Depois de tudo isso os Etados Unidos inventaram a internet para botocudos como esses ficarem destilando seu recalque e seu complexo de inferioridade publicamente. Vão consultar um psiquiatra minha gente, e sejam felizes, de preferência não fazendo merda ao votarem!!!

  13. Ravengar Postado em 30/Apr/2013 às 01:03

    Ou seja: Somos, não só os americanos, mas todos nós, uma grande nação mundial.

  14. poisé Postado em 08/Jul/2013 às 19:07

    Tert, vc tem um problema série, ou de elitismo ou mental, aproveita e se muda pro EUA, pq como Brasileiro vc é péssimo .

  15. JOÃO ARAÚJO Postado em 10/Jul/2013 às 13:43

    A internet foram os sovieticos que criaram! Os EUA, como sempre, apenas se apoderaram e isso pegou

  16. milena Postado em 12/Jul/2013 às 02:09

    sério, pq vcs se importam tanto com os americanos? Seria uma inveja? O que é?? Pq não cuidam mais do Brasil. Façam mais pelo seu pais, dexe eles pra lá. O que vcs fazem no seu dia a dia que lhe dá orgulho de ser brasileiro? Pense mais nisso ao inves de criticar a vida do americano.

    • anarcuxo Postado em 01/Aug/2014 às 17:58

      Sabe de nada, inocente!

  17. artur Postado em 16/Oct/2013 às 02:32

    Péssimo. Tudo que o americano usa, o mundo ocidental e até o oriental usa, em maior ou menor escala. Além disso, gente estúpida, preconceituosa e burra tem em todo lugar. Não é um privilégio dos americanos.

  18. ntto Postado em 14/Apr/2014 às 01:44

    O foco esta errado ... o problema nao e a cultura deles e sim seu sistema de governo e a maneira como impoe seu sistema

  19. Diego Pereira Postado em 10/Aug/2014 às 16:04

    E o escritor do texto o criou usando similarmente um aparelho desenvolvido por cientitas, matematicos e engenheiros de todo o mundo, muitos deles americanos, sendo que o aparelho foi montado muito provavelmente por chineses. Se'rio que voces acreditam que os padroes de vida e consumo, INCLUSIVE os do 3o. mundo, do qual o Brasil faz parte, tem como fugir disso, hoje em dia? Que surpresa existe nisso? Menos hipocrisia, por favor. Ou mudem-se para as florestas e vao viver sem pasta de dente e geladeiras, se conseguirem.