Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 16/May/2011 às 18:30
5
Comentários

Homossexuais e nordestinos são os grupos mais atacados no Twitter

Homossexuais e nordestinos são os grupos mais atacados no Twitter, respectivamente. A informação é da SaferNet Brasil, organização não-governamental que combate crimes contra direitos humanos na rede. De acordo com o presidente da entidade, Thiago Tavares, as manifestações de ódio no microblog acontecem em ondas e, quase sempre, sem planejamento. Mas há exceções, destaca. 
Nova série de ofensas contra nordestinos ocorreu semana passada, no twitter
– No caso da homofobia, um grupo liderado por pastores evangélicos, certa vez, articulou uma ação no Twitter contra gays. Em relação a nordestinos, não. Geralmente, é espontânea do ponto de vista da disseminação das mensagens. Tudo pode detonar uma onda dessa. Agora, mais recentemente, o que detonou foi o resultado do jogo do Flamengo contra o Ceará – afirma, detalhando que houve um acirramento dos ataques a esses dois grupos a partir do segundo semestre de 2010.

Leia também:
Trabalhador homossexual da Sadia foi ‘empalado’ por colegas com mangueira de ar
Nada como sentir na pele: um grito de socorro

– Há um recrudescimento de posições extremamente conservadoras, de negação de direitos. Sempre que temas como, por exemplo, o projeto de lei que criminaliza a homofobia entram na pauta da imprensa, geram manifestações de intolerância e de discriminação, especialmente, no Twitter – acrescenta.
Tavares explica ainda que o foco do preconceito se desloca quando a análise é feita tomando como referência a web de maneira geral. Neste caso, negros e judeus passam a ser os grupos mais discriminados.
– Os crimes de ódio tradicionais, os sites criados com este propósito, normalmente estão associadas a células nazistas, neonazistas ou a grupos organizados ou semi-estruturados. Esses sites não têm crescido exponencialmente nos últimos anos. Têm se mantido estáveis. Estima-se que exista no Brasil cerca de 300 células neonazistas. Algumas maiores e mais articuladas, outras menores. Elas têm uma atividade online. As células menores e mais dispersas não possuem sites próprios. Acabam usando redes sociais, como Orkut. O Twitter é diferente. Enquanto no Orkut o sujeito usa a plataforma para arregimentar membros, tentar disseminar a causa ariana, no micriblog o mais frequente são pessoas comuns. É o usuário comum, o cidadão comum que tem preconceito contra negros, homossexuais, nordestinos e acaba manifestando esse preconceito em algum momento. 
O presidente da SaferNet salienta que mesmo manifestações aparentemente inócuas podem, sim, ser enquadradas na categoria de crimes de ódio, caso seja caracterizado dolo e intenção de discriminar.
_
Espaço público
Para Tavares, o brasileiro ainda está aprendendo “a duras penas” que a web é um espaço público. “Parece uma coisa óbvia, mas para a maioria esmagadora dos usuários não é”, diz, lembrando que o internauta deve refletir antes de postar qualquer conteúdo na rede.
Ele informa que os casos podem ser reportados à Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos, criada pela SaferNet e operada em parceria com os ministérios públicos federal e estaduais.
– Basta copiar o link da página e colar no formulário de denuncias, que está no endereço www.denuncie.org.br.
Ana Cláudia Barros

Comentários

  1. Dirceu Barquette Postado em 17/May/2011 às 14:16

    Racismo e homofobia mostram claramente aonde egos supervalorizados desejam chegar. A prepotência do "eu estou certo" afirma que somente agindo de uma tal forma e nascendo com tal cor em tal lugar será digno de pertencer à sociedade.

    Lutar contra os preconceituosos me tornaria também um igual. Resta-me apenas sugerir uma questão: preconceito os transforma em melhores?

  2. Wagner Galesco Postado em 28/Aug/2011 às 19:02

    Muitas vezes, olhar para "fora" conforta áqueles que não tem coragem de encarar a si mesmos.

  3. Taurus Postado em 30/Nov/2011 às 21:43

    Uma pela branca, com cabelos loiros pode comportar um Espírito mais escuro e fétido que um pântano sem luz. Pobres mentes! Não sabem o que dizem.

  4. la viea mon avis Postado em 30/Dec/2011 às 13:44

    O preconceito é uma triste realidade! Mas como a sociedade esta sempre em transformação....um dia tende desaparecer do meio social essa mazela triste, e deploravel que ainda nos causa tanta indignação!!!!

  5. Mariangela Postado em 22/Jan/2012 às 21:07

    eu não sou homossexual e nem nordestina, mas como dói saber que tem pessoas que os odeiam!! dói porque eu lembro que se eu fosse homossexual e/ou nordestina era assim que eu iria ser tratada! acho uma coisa descabida te agredir por sua orientação sexual e seu local de nascimento!