Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 28/Apr/2011 às 12:43
1
Comentário

Lula explica o “Nunca Antes”. Era para gozar FHC

O golpe agora é anunciar a hiperinflação
Na abertura do 8º Congresso da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM-CUT), na quarta-feira (27), o presidente Lula foi recebido com o grito “olê, olê, olá, Lula, Lula”… e mostrou-se afiado no discurso e nas declarações: Imprensa de “namorico” com Dilma para semear divergências
 
“Um setor da imprensa está de ‘namorico’ com o governo Dilma para causar divergência entre eu e ela… Não existe divergências, porque o dia que eu e ela discordarmos, ela está certa”.

Contra noticiário terrorista, firmeza em Dilma e Mantega no controle da inflação

 
“Estão inventando inflação. Eu ontem vi um pronunciamento da Dilma e do Guido Mantega (ministro da Fazenda), e sinto toda a firmeza. Nós não vamos permitir que a inflação volte. Nós, não só eles; como consumidores somos responsáveis para que não volte”, insistiu.

Fusão demo-tucana é que nem carrapicho

Peguntado, Lula evitou aprofundar sobre a possível fusão do DEM com o PSDB, preferindo responder em tom de brincadeira, que ser de oposição é mais fácil de crescer, sem ter que gerar resultados no governo: – “Já fui oposição… é que nem carrapicho, cresce sem ninguém precisar plantar.”

Ex-presidente tem que deixar o sucessor trabalhar… viu FHC?

Bem humorado, Lula brincou: “Ainda não ‘desencarnei’ (da Presidência) totalmente, como vocês podem ver. Não é uma tarefa fácil a ‘desencarnação… Assumi compromisso com a Dilma de que é preciso manter o processo de ‘desencarnação’ para não comprometê-la”.

Apesar disso, Lula declarou que seu gradual afastamento da presidência deveria servir de exemplo: “Queria ensinar a alguns ex-presidentes para que se mantenham como eu e deixem a Dilma exercer o mandato dela”, provocou. A referência velada teve como alvo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Nunca antes na história desse país…

Ele foi além nas críticas à oposição e foi ovacionado por isso. “O ‘nunca antes na história deste país’ era para provocar a oposição, porque eu sei o tanto que já falaram de mim, com discursos cheios de preconceito. (Eu) me determinei a provar que eu seria mais competente que eles para governar o país”, orgulhou-se.

Valorização dos trabalhadores

O ex-presidente ressaltou ainda, em diversos momentos de seu discurso, a proximidade do governo com o movimento sindical. “Duvido que, na história da humanidade, tenha (havido) um governo que executou a democracia como o Brasil. Nunca houve tantas conferências sindicais. Em outros países, sindicalista é visto como inimigo do governo.”

Governo para todos

Ele também celebrou o que considera ser uma ação de inclusão social implantada em seus dois mandatos e mantida na gestão de Dilma. “No Palácio do Planalto, que antes só recebia príncipes e banqueiros, agora continua recebendo príncipes e banqueiros, mas também os moradores de rua e deficientes físicos. É pra mostrar que eles podem entrar em uma igreja, num metrô ou num shopping center”, disse.

Postura firme dos trabalhadores nas negociações com empresários

Dirigindo-se aos sindicalistas que participavam do evento, o ex-presidente cobrou postura firme dos representantes dos trabalhadores em negociações com empresários. “A conquista do respeito é a condição básica para ter respeito”, disse. “Se você entrar numa mesa de negociação de cabeça baixa, sem se respeitar, nenhum empresário vai ter dó de vocês”, recomendou.

Dedicação à África

Em relação a futuros compromissos, o ex-presidente revelou que, apesar de sentir vontade de “sair em caravana e reuniões com a CUT (Central Única dos Trabalhadores)”, precisa ter autocontrole para não ter comprometimento político. “Vou me dedicar à África. A experiência brasileira pode ajudar o continente africano e este será o meu trabalho daqui pra frente”, disse. 

Os Amigos do Presidente & Rede Brasil Atual

Comentários

  1. Luis Soares Postado em 28/Apr/2011 às 17:20

    Curiosamente o PSDB tem expressado desejo de realizar um debate entre Lula e FHC. É difícil de acreditar, mas isso só se explica por um desespero enorme de retratação histórica com o intuito de amenizar a imagem negativa que a sociedade nutre pelo partido e pelo sociólogo - o ego deste é enorme. Vale lembrar que FHC teve dezenas de chances de debater com Lula e recusou todas.