Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 19/Apr/2011 às 22:48
1
Comentário

Índio Diawa Kalapalo relata caso de racismo em hotel de SP

Dia do Índio: para celebrar ou lamentar?
O índio Diawa Kalapalo, residente no Parque Indígena do Xingu, afirma que foi discriminado ao tentar se hospedar no Vila Madalena Hostel, em São Paulo, na noite desta segunda-feira, 18. O dono do albergue, Tulio Tallini, teria dito que ele não tinha “o perfil” do hotel. “Diawa ia chegar do Xingu entre sexta e sábado. Mas ele só chegou mesmo no domingo. Então, nós fizemos uma nova reserva. Desta vez, falaram: ‘Não, tá vazio, é só vir direto'”, diz o fotógrafo e documentarista Renato Soares, um dos responsáveis pela reserva do quarto. 
Diawa está em São Paulo para articular as homenagens ao sertanista Orlando Villas Boas (1914-2002), no momento em que são celebrados os 50 anos do Parque do Xingu. O índio relata que, na recepção, recebeu um mapa de São Paulo e foi orientado a procurar uma outra hospedagem.
– Falaram que tem reservado hotel. Chegamos na porta, entrei no lugar que recebem o pessoal que vem pro hotel, fiquei dois minutos. Disseram “não tem vaga”. Se você falou que já tem… Aí enrolou. Não deu certo. Me deu mapa de outro lugar, eu caminhando consegui. Entrei. Aí a dona do hotel me recebeu, me arrumou direitinho, entrei no quarto, ficou tudo armado com o colchão. Pedi sabonete e toalha pra trocar a roupa. Assim que eu quero. Eu sou respeitado – conta Diawa, que foi acolhido no “Ô de Casa Hostel”, na véspera do Dia do Índio. 
Túlio Tallini, dono do Vila Madalena Hostel, se diz “entristecido” com o episódio e alega que houve “um mal-entendido”. Por telefone, ele chora e apresenta sua versão:
– Ele tinha uma reserva pro dia 15 e só chegou no dia 18. Como não chegou no dia 15, nós cancelamos a reserva no dia 16, pela manhã, como fazemos com todos os hóspedes. Aí ontem ele nos surpreendeu chegando aqui. A gente foi estudar o caso e disse: “opa!, é a reserva que foi cancelada”, como eu já fiz hoje. Estava lotado. Estou fazendo manutenção e estou com menos quartos. Hoje também estou com menos quartos. Então, a gente encaminhou para outro albergue da juventude aqui perto. Não sei de onde é que está vindo essa informação. Pelo contrário, a gente recebe gente de tudo que é lugar, países do mundo todo, gente de todos os níveis, mais rico, mais pobre, é característico nosso. 
O fotógrafo Renato Soares, que trabalha com comunidades indígenas há vinte anos, pretende apresentar uma ação judicial contra o hostel, por crime de racismo. “Os Kalapalo têm uma filosofia: eles não gostam de brigar, eles não falam alto. Mandaram-no embora e ele ficou sem entender”, conta Soares. “Estou muito triste com isso, estou arrasado, eu tenho uma reputação muito boa. O pessoal da Funai já entrou em contato com o índio, pra esclarecer”, acrescenta Túlio Tallini.
Diawa tem, aproximadamente, 60 anos. Na infância, conviveu com o sertanista Orlando Villas Boas, um dos principais idealizadores do Parque do Xingu, criado no governo Jânio Quadros.
Com informações de Terra Magazine

Comentários

  1. Cecy Fernandes de Assis Postado em 23/Apr/2011 às 06:43

    É mais fácil desintegrar o átomo que eliminar o preconceito, dizia o Einstein quando falava.
    http://www.guaraniportugues.blogspot.com/

O e-mail não será publicado.