Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 08/Apr/2011 às 16:42
1
Comentário

Governo do PSDB usa prova escolar para denegrir Lula e exaltar FHC

Um exame escolar aplicado a alunos da rede estadual de ensino em Minas Gerais apresenta charge com calúnia e difamação ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em uma das questões de uma prova do Programa de Avaliação da Aprendizagem Escolar (PAAE), Lula é retratado entregando dinheiro a políticos.
O governo mineiro é administrado há nove anos pelo PSDB – e desde 1º de janeiro por Antonio Anastasia, sucessor do hoje senador Aécio Neves. A oposição ao governador na Assembleia Legislativa do estado e parlamentares que apoiam o governo da presidente Dilma Rousseff no Congresso organizaram um protesto, pedindo explicações ao Executivo mineiro.

Na polêmica e condenável questão da prova, os estudantes deveriam interpretar o desenho e escolher uma das quatro possíveis respostas da questão. A correta, pelo gabarito do exame, seria a letra “D”, segundo a qual o desenho “sugere, ironicamente, uma relação entre os movimentos sindicais do início da década de 1980 e o ‘mensalão’, refletindo sobre o processo histórico que levou os mesmos personagens de uma luta pela valorização do trabalhador à corrupção política”.

O líder da minoria na Assembleia mineira, deputado Antônio Júlio (PMDB), classificou o exame como uma “forma de agressão, sem precedentes na história, a um presidente do nosso país”. Segundo o peemedebista, “é, no mínimo, uma falta de respeito enorme”.

Antônio Júlio ressaltou que outros trechos da prova também tinham “direcionamento político para beneficiar o PSDB”. O parlamentar deu como exemplo outra questão que falava sobre as privatizações promovidas durante o governo do ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso.

“Deram nossas empresas de graça, mas a resposta correta na prova era que as privatizações reduziram o déficit público para permitir ao governo direcionar recursos para áreas sociais”, observou. “É um claro direcionamento para a proposta neoliberal, favorecendo o governo Fernando Henrique.”

Uma cópia da prova foi apresentada pelo deputado estadual Rogério Correia (PT), líder da oposição na Assembleia mineira (formada por PT, PMDB, PCdoB e PRB) aos representantes do estado na Câmara e no Senado. Por meio de nota, o bloco protestou contra o exame e afirma que o caso tem “gravidade tripla”. Além de usar recursos públicos para fazer “luta partidária”, a prova traz “conduta caluniosa” por “impor uma versão unilateral” em um caso em que não há “sequer acusação formal a Lula”.

O Estado de S. Paulo

Comentários

  1. Sandra Ávila Postado em 26/Feb/2016 às 14:14

    Essa oligarquia "MAÇONICA" que abusa e chupinha o Brasil durante séculos, não quer aceitar que além de perderem as eleições presidenciais para a classe trabalhadora, tem que admitir que o operario com ajuda da esquerda fezeram o melhor programa de justiça social , que até então nunca foi feita no Brasil, reconhecido mundialmente.

O e-mail não será publicado.