Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 16/Mar/2011 às 19:27
0
Comentários

Sem renovação: jovens são parentes de políticos

Quase todos os jovens deputados são parentes de velhos políticos
Alguns deles mal deixaram a adolescência. Outros já circulam pelos corredores do Congresso com a desenvoltura de veteranos apesar da pouca idade. Embora representem quase um quarto da população do país, os brasileiros entre 21 e 34 anos ocupam menos de 8% das cadeiras da Câmara. Mais precisamente, 40 das 513 disponíveis. Uma distorção que encobre outra. Se entrar para o Congresso no auge da juventude é para poucos, conquistar uma vaga sem vir de um berço político é para pouquíssimos entre os mais jovens: um feito para apenas oito desses deputados. 
Nada menos que 32 dos parlamentares mais jovens da atual legislatura – que não têm idade para cobiçar uma vaga no Senado – são originários de famílias que usufruem ou já experimentaram do poder político. Entre eles, 26 podem dizer literalmente que o gosto pela política passou de pai para filho: são herdeiros diretos de ex-governadores, ex-ministros, deputados, senadores, prefeitos e vereadores. Onze deles adotam Filho, Júnior ou Neto no nome parlamentar. Os outros seis herdaram o prestígio de tios e primos famosos no meio político. .

O peso do berço é tanto maior quanto menor a idade dos deputados. Dos 15 deputados que têm menos de 30 anos, somente dois – Manuela D’Ávila (PCdoB-RS), de 29, e Guilherme Mussi (PV-SP), de 28 – não são de famílias de políticos. Manuela é minoria, ainda, em outros dois quesitos. Além dela, apenas dois deputados com menos de 35 anos declaram ter entrado para a política por meio do movimento estudantil – Miguel Correa (PT-MG) e Luiz Fernando Machado (PSDB-SP). A lista dos 40 mais jovens tem predominância masculina maior que a média da Câmara: a bancada feminina, nesse caso, resume-se à deputada gaúcha e à paulista Bruna Furlan (PSDB), de 27 anos.

O conservadorismo que se vê na repetição dos sobrenomes e na diminuta presença feminina também se reflete na filiação partidária. Ao todo, 30 dos 40 parlamentares mais jovens estão filiados a partidos de centro e centro-direita. O DEM e o PMDB, com seis representantes cada, são as legendas que concentram mais deputados com menos de 35 anos. Tradicionalmente considerados partidos de esquerda e centro-esquerda, PT, PCdoB, PSB e PV somam apenas dez entre os parlamentares mais jovens. 
Bons de patrimônio
 
O poder político quase sempre vem acompanhado do econômico. Juntos, os deputados mais novos têm patrimônio declarado de R$ 30,5 milhões. Ao todo, 12 deles informaram à Justiça eleitoral possuir bens avaliados em mais de R$ 1 milhão. O mais rico entre eles, a julgar pela declaração, é Wilson Filho (PMDB-PB), filho do senador Wilson Santiago (PMDB-PB). 
Segundo mais jovem entre todos os 513 deputados, com 21 anos, Wilson informou ter R$ 4,8 milhões em patrimônio. Ele aparece logo à frente do líder do DEM, Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA). Neto do ex-senador Antônio Carlos Magalhães (DEM-BA) e filho do ex-senador Antônio Carlos Júnior (DEM-BA), o deputado em terceiro mandato declarou possuir R$ 2,5 milhões em bens móveis e imóveis. O dono do terceiro maior patrimônio, de R$ 2,4 milhões, é o deputado em segundo mandato Felipe Bornier (PHS-RJ), filho do também deputado Nelson Bornier (PMDB-RJ). 
Cinco deputados com menos de 35 anos declararam não possuir bens: Bruna Furlan, Áureo (PRTB-RJ), Luiz Carlos (PSDB-AP), Vinícius Gurgel (PRTB-AP) e Davi Alcolumbre (DEM-AP). Em sua terceira legislatura, Alcolumbre é um dos 16 deputados que, apesar de não terem idade para serem senadores, acumulam mais de um mandato na Casa. Ele é sobrinho do suplente de senador Salomão Alcolumbre e primo do deputado estadual Isaac Alcolumbre. Ele, Luiz Carlos e Vinícius Gurgel formam a bancada estadual com mais parlamentares jovens: dos oito amapaenses, três não atingiram a idade mínima para o Senado, que é de 35 anos. Na Câmara, a idade mínima exigida é de 21 anos.  
Em números absolutos, o Rio de Janeiro e Minas Gerais são os estados com mais deputados jovens. São seis do Rio e cinco de Minas. A mais numerosa das bancadas estaduais, São Paulo aparece apenas na terceira colocação, com quatro representantes. 
A relação dos deputados mais jovens traz ainda outro dado curioso: sete deles foram os mais votados em seus estados. São eles: os novatos Renan Filho (PMDB-AL), filho do senador Renan Calheiros (PMDB-AL); Domingos Neto (PSB-CE), filho do vice-governador cearense, Domingos Filho, e Vinícius Gurgel, filho da deputada estadual Telma Gurgel (PRTB-AP), e os já experientes Manuela D’Ávila, ACM Neto, Valadares Filho (PSB-SE), filho do senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), e Ratinho Júnior, filho do apresentador de TV e ex-deputado federal Carlos Massa, o Ratinho.
Congresso em Foco

Comentários