Luis Soares
Colunista
Compartilhar
PSDB 14/Mar/2011 às 19:17
0
Comentários

PSDB usa estatais para turbinar salários de filiados

Os conselheiros do PSDB recebem remuneração pela participação em reuniões – em geral, uma por mês. Os pagamentos mensais estão entre R$ 3.500 e R$ 4.500 – fora o 13º salário e os bônus, pagos em alguns casos.

governo sp alckmin psdb corrupção

Governo de SP dá aula de apadrinhamento político

O governo do estado de São Paulo tem usado os cargos a que tem direito nos conselhos de administração de empresas estatais para abrigar filiados do PSDB e quadros ligados ao partido. Os honorários pagos com recursos das empresas ou do erário estadual servem como complemento salarial para secretários, assessores e colaboradores do Palácio dos Bandeirantes.

A lista de conselheiros das estatais paulistas revela ainda que, em diversos casos, não há nenhuma relação entre a formação profissional dos contemplados e a área de atuação das empresas.

Há um cineasta no conselho da Dersa (estatal do setor rodoviário), uma ex-diretora de orquestra na Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae) e uma psicóloga e ex-diretora da Febem no Porto de São Sebastião. Há ainda jornalista do Palácio dos Bandeirantes participando de reuniões técnicas de planejamento metropolitano.

Leia mais

De 136 nomes de conselheiros avaliados pelo jornal O Estado de S. Paulo, em 65 foi possível identificar algum tipo de ligação com o PSDB ou com o primeiro escalão dos governos José Serra ou Geraldo Alckmin.

Os salários dos servidores paulistas não podem, em tese, ultrapassar o do governador, que é de cerca de R$ 18,7 mil. Muitos conselheiros admitem, informalmente, que os honorários pagos pelas empresas são uma maneira de complementar os salários do serviço público e torná-los mais atraentes em relação aos da iniciativa privada.

Os conselheiros recebem remuneração pela participação em reuniões – em geral, uma por mês. Os pagamentos mensais estão entre R$ 3.500 e R$ 4.500 – fora o 13º salário e os bônus, pagos em alguns casos.

Resposta

O governo estadual e pessoas contempladas com cargos em conselhos de administração de estatais negam a existência de apadrinhamento político e afirmam que o critério para a escolha é o da competência técnica. Em relação ao fato de estatais terem conselheiros com formação profissional de áreas distintas daquela em que a empresa atua, o governo afirma que a diversidade é um fator positivo.

“A composição dos conselhos de administração leva em conta, além das competências técnicas e experiências individuais dos seus membros, a representação de diferentes setores de governo, de forma a propiciar o ajuste da visão setorial com as diretrizes mais amplas de investimentos e prioridades da administração”, afirma nota da assessoria do Palácio dos Bandeirantes.

“É necessário ter entre os integrantes (dos conselhos) quadros capazes de permitir a integração e a comunicação das ações das empresas no âmbito das diretrizes de investimentos e prioridades do governo do estado”, prossegue a nota.

Informações do jornal O Estado de S. Paulo

Recomendados para você

Comentários