Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 29/Dec/2010 às 02:47
2
Comentários

Para ser presidente, é preciso conhecer o Brasil e sua gente

Governador Eduardo Campos (PE) entrega ao presidente Lula a faixa da Ordem do Mérito de Guararapes
Num discurso emocionado diante de cerca 40 mil pessoas que lotaram o Marco Zero de Recife (PE), em seu último ato público em Pernambuco (seu estado natal) como presidente da República, o presidente Lula agradeceu a Deus e à população pelo apoio que sempre dedicaram a ele e a seu governo, nos bons e maus momentos. O presidente fez uma pequena retrospectiva de sua luta política para chegar até a Presidência da República durante a cerimônia, que deu ordem de início às obras do Memorial Luiz Gonzaga e entregou um terreno para a Orquestra Criança Cidadã Meninos do Coque, e lembrou com carinho de personalidades com o ex-governador Miguel Arraes, que emocionou o neto Eduardo Campos, atual governador de Pernambuco, e sua esposa, presentes ao evento.

Lula afirmou que sempre procurou viajar muito pelo Brasil para poder conhecer as pessoas, conversar com elas, olhando nos olhos e tocando, porque como disse “não há possibilidade do ser humano interagir se não houver um toque de mão, um abraço, um beijo, um carinho, um olhar olho no olho”. Disse ainda que aprendeu muito com as três derrotas que sofreu em eleições presidenciais (em 1989, 1994 e 1998). A lição principal: não é possível governar bem o País sem conhecer sua terra e sua gente:

“Era preciso que o presidente tivesse um olhar total do seu País, para conhecer o seu povo, e poder governar distribuindo possibilidades para que todos tivessem condições de participar do desenvolvimento desse País.

Foi a partir da descoberta das eleições de 1989, em que eu descobri que era falsa a disputa eleitoral, que um presidente da República pegar um avião em São Paulo, descer no aeroporto de Recife, subir num palanque, voltar para o aeroporto e voltar para São Paulo não lhe permitia o povo pernambucano, era preciso que ele conhecesse um pouco mais. (…) Foi a partir daí que resolvi fazer as caravanas da cidadania.

E comecei fazendo a primeira caravana percorrendo o trajeto que a minha mãe percorreu com oito filhos, saindo de Caetés até a cidade de Santos, em São Paulo. Parando em cada cidade, conversando com as pessoas. Depois eu percorri 91 mil km de carro, de trem, de ônibus, de barco. Para conhecer a cara, o jeito, o contar da piada, da graça, o cantar do povo pernambucano, o sofrimento do povo brasileiro. E isso me deu uma dimensão do Brasil que eu queria governar.”

O presidente se emocionou ao contar a história da mulher que lhe explicou porque não dava seu voto a ele. Veja o vídeo:

Blog do Planalto

Comentários

  1. Dirceu Barquette Postado em 29/Dec/2010 às 18:34

    Mais que um estadista, um humanista!

  2. Luis Soares Postado em 29/Dec/2010 às 19:55

    A figura de maior representatividade e simbolismo na nossa história repúblicana.

O e-mail não será publicado.