Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 11/Dec/2010 às 00:06
0
Comentários

A divergência entre Serra e Aécio: "não quero olhar na sua cara!"

Reportagem da Revista Rolling Stone

O partido da Social Democracia Brasileiro (PSDB), que governou o país por oito anos, vive hoje um purgatório sem fim – a julgar pelo enredo repetitivo que alimenta o projeto para o Palácio do Planalto. Seus principais personagens seguem no conflito pelo poder próprio. O futuro é incerto. A arte de perder continua.
Mesmo conquistando oito estados importantes nas últimas eleições e com a expressiva marca de 44 milhões de votos para José Serra – o último dos fundadores presidenciáveis -, os tucanos amargam, na verdade, o gosto da derrota. O PT se coloca no papel de mãe. Ao PSDB, resta o semblante do padrasto “gente fina”, que nada mais tem a acrescentar – pelo menos do ponto de vista presidencial. Em uma única sentença, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso definiu o tumulto das eleições de 2010 para seu partido: “O PSDB precisa calçar as sandálias da humildade”.

Alguns dos envolvidos já sumiram do mapa e não quiseram comentar o tema. Simão Jatene, que retornou ao governo do Pará, estava na África; Marconi Perillo, eleito em Goiás, em Jerusalém; Alberto Goldman, governador de São Paulo, não quis falar; diversos outros políticos de peito amarelo-bandeira saíram em revoada. Entre os quais, Geraldo Alckmin, governador eleito de São Paulo.

O PSDB perdeu para Lula, para um governo que é aprovado pela maioria dos brasileiros (afinal, a economia vai bem). Perdeu para uma estrutura na máquina do poder. E também para si mesmo. E a derrota poderia ter sido menor com a resolução das intrigas internas no partido.

Se a coerência das santidades já considerava o fracasso mesmo antes do dia do juízo final, um telefonema entre Aécio Neves e José Serra, líderes da oposição, uma semana antes de ocorrer o segundo turno, deu a síntese da ópera: “Depois das eleições, não quero olhar na sua cara!”, ouviu-se de um dos lados. Mas, antes de esclarecer a fúria, cabe retornar um pouco aos acontecimentos.

No primeiro turno, a candidata Dilma Rousseff teve, em Minas Gerais 46,9% dos votos, o mesmo percentual que obteve no restante do Brasil. O candidato tucano ficou com com 30,7%, contra 32,6% no restante do pais. O estado, portanto, é considerado ferramenta- chave na equação eleitoral, já que os resultados lo- cais refletem assombrosamente o plano nacional. É a chamada “geografia do voto”. E é preciso reverter os resultados no quadro marcado. E para tanto, as participações de Aécio Neves e de seu pupilo, Antônio Anastasia, governador reeleito por Minas, eram mais que necessárias.

Dias depois do final do primeiro turno, em um megaevento realizado em Belo Horizonte o ex-governador mineiro reuniu cerca de 450 prefeitos e deputados eleitos. “Vamos virar esta eleição”, afirmou o secretário-geral Rodrigo de Castro, que saiu das urnas com o título de deputado federal mais votado no estado.

A pedido do ex-governador paulista, Aécio viajou ao Nordeste para ajudar na mobilização nacional. E prometeu dar a “vitória a Serra em Minas”. Horas depois, no entanto, Anastasia rebateu: “Ninguém tem bola de cristal”, dizendo “não poder garantir” nada. Sem o afinco do comprometimento dos mineiros, que venceram tudo dentro de casa, a derrota estava desenhada. No curso desse processo, até surgiu a denúncia de desvio de dinheiro na principal obra tucana em São Paulo, o rodoanel metropolitano Mário Covas.

Na véspera do segundo turno, em Belo Horizonte, Aécio organizou a maior carreata realizada durante toda a campanha. Na manhã típica mineira, com os termômetros na marca dos 300C, milhares de pessoas tomaram as ruas para saudar os homens da coligação “O Brasil Pode Mais”. Ao lado de seu anfitrião e do professor Anastasia, Serra dava fim a uma campanha difícil. O presidente Itamar Franco – a quem o ex-governador de São Paulo declarara que “o Brasil devia muito” – fechou o retrato dos medalhões que, do alto da caçamba de uma caminhonete 4×4, acenavam para a massa. Os cerca de três quilômetros percorridos do Palácio das Mangabeiras até o centro da capital mineira, na Praça da Savassi, levaram mais de uma hora. Abraços emocionados dos caciques após a execução do Hino Nacional. Ao final dos disparos dos rojões, todos seguiram juntos para a coletiva de imprensa, na sede do governo.

O discurso foi de união pela vitória. Sorrisos estouraram os flashes das câmeras. Serra, um homem público experiente, e Aécio, a mesma experiência em um rosto rosto ainda jovem -apesar dos cabelos grisalhos que marcam os seus 50 anos -, estavam unidos pelo Brasil. Aparentemente, jamais estiveram tão à vontade.

À tarde, à margem do evento cinematográfico realizado naquele sábado, assessores dos dois caciques presenciam as lágrimas do ex-governador mineiro nos ombros do colega paulista. Segundo as conversas de quem esteve presente, a morte do pai de Aécio, ocorrida um mês antes, seria o real motivo do choro. Mas o clima durante todo o dia havia sido bom. A virada histórica estaria por vir? O PSDB teria aprendido com erros de origem? Estaria pronto para reassumir a Presidência da República? Ou as lágrimas de crocodilo abençoariam o caminho? A resposta para todas as indagações nada se parece com a dita no teatro mágico: a união dos dois não existe e nunca existiu.

No telefonema relatado no início desta matéria, ainda que o motivo central da ira seja desconhecido, Serra dava o recado: união e sorrisos são para a imprensa. O político estourou por causa do isolamento mineiro. Aécio não queria assumir a responsabilidade pelos “erros”, a seu ver, do colega candidato a presidente.

Eleitorado cioso

O caminho do naufrágio já estava desenhado muito antes das eleições. Serra e Aécio não se entendiam sobre quem seria o candidato do PSDB à presidência, conforme adiantou a Rolling Stone Brasil há exatamente um ano (“Como Perder uma Eleição”, RS 39). E com a impossibilidade de corrigir a baderna ou resolver as mazelas de sua história, persistiu a repetição dos desentendimentos que culminaram em destroços.

Aécio, então governador de Minas, jogou a toalha antes do Natal de 2009, por não conseguir levar adiante a ideia da realização de prévias no partido. Em carta, criticou a falta de uma eleição interna democrática, dando um recado ao autoritarismo de Serra, que forçou sua escolha. A armadilha estava armada.

“Muitas vezes você ganha e perde. Em outras, você perde e ganha”, justifica Narcio Rodrigues, presidente do PSDB-MG, coordenador da campanha presidencial em Minas e terceiro deputado federal mais votado no estado. “Fizemos a nossa parte, mas ninguém faz mágica.”

Minas Gerais é mesmo a síntese da nação. Abriga a região do semiárido, que representa o Nordeste, influenciado pela ação do Bolsa Família; do centro-oeste, reproduz o Triângulo Mineiro; a Zona da Mata é próxima ao Rio de Janeiro; e, na parte sul, é colado a São Paulo.

“Temos um eleitorado cioso para a sua responsabilidade, que não é boi de carga e não anda tocado”, diz Rodrigues. “Que levou em consideração o fato de termos uma candidata que tem certidão de nascimento em Belo Horizonte, apoiada pelo Lula e pelo José Alencar, e por Patrus Ananias, Fernando Pimentel e Hélio Costa, que são lideranças expressivas, embora tenham perdido a eleição.”

Se os abraços dias antes foram sinceros, Serra não teria porque se revoltar com a derrota. No discurso pós-segundo turno, ao lado dos líderes paulistas, o homem público conhecido pela convicção com a qual defende seus objetivos dá o recado sublinhado no melhor estilo “Exterminador do Futuro”: “Não é um adeus, mas um até logo”. O nome de Aécio Neves não foi mencionado no pronunciamento de despedida (mais tarde, em entrevista, o candidato derrotado minimizou o fato). Serra entrou para o grupo dos aposentados e perigosos. Após a tragédia, um tiroteio entre mineiros e paulistas se sucedeu no Twitter e na imprensa. E, pelo andar da carruagem, os problemas que se seguem ainda estão longe de acabar.

Pecado original


Com os resultados obtidos nos últimos pleitos e mantida a ressaca, o caminho do caos está indicado no PSDB. “A coisa está mais feia do que parece. O partido tem uma espécie de ‘pecado original’, de erros de origem, que depois da eleição de Fernando Henrique, não conseguiu superar”, dispara o cientista político José Augusto Guilhon de Albuquerque, da Universidade de São Paulo (USP).

O partido nasceu de facções regionais, que não convergiam necessariamente por questões ideológicas. Segundo Guilhon, em vez de um processo de convergência das diferentes dissidências, com uma identidade desenhada, o quadro se agravou durante o período de oposição e viveu uma espécie de déjà vu na última eleição presidencial. “Como ocorreu nas derrotas de Serra e Geraldo Alckmin, há alguns anos, o PSDB entrou fragmentado nas eleições. Ciscou mais para fora do que para dentro”, explica. Ou seja, em nenhum momento conseguiu se unir. Não houve ação conjunta em torno de uma candidatura.

“Se essa fragmentação não se consertar agora, no início do governo Dilma, ela só vai aumentar”, conclui o cientista. “Porque na oposição os interesses locais e regionais tendem a não coincidir.”

O fato é que Serra se julgou no direito de concorrer, e se deu mal. “O maior erro foi a escolha do candidato, que representava uma opção velha, antiga, e que não apresentou durante a campanha nenhuma proposta nova ou capaz de se apresentar como alternativa ao atual governo”, sentencia Carlos Ranulfo Félix de MeIo, professor da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ele sugere que Aécio poderia ter aparecido com outra abordagem, outro discurso, ou mesmo como “fator surpresa”. “Não estou dizendo que venceria. Mas a verdade é que Serra se revelou um candidato frágil”, define Melo.

Entretanto, o caminho do senador mineiro não está livre com a “aposentadoria” de Serra. Ou seja. o fracasso paulista e o sucesso alheio não implicariam, imediatamente, na indicação do neto de Tancredo Neves para próximo candidato a presidente. Quatro anos, em se tratando de política, é quase uma eternidade. “Por enquanto, não é hora de pensar em nomes. Há tarefas a serem cumpridas”, despista José Henrique Reis Lobo, presidente do Diretório Municipal do PSDB em São Paulo e um dos coordenadores dos trabalhos de Serra e Alckmin na campanha paulista.

Além do poderio de Lula fica óbvio que o eixo SP-MG é corresponsável pela derrota nacional do PSDB, de acordo com a opinião do sociólogo Bruno Speck, do Departamento de Ciência Política da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). “Essa posição entre Minas e São Paulo ficou muito óbvia. O lado que venceu internamente perdeu externamente.”



O futuro incerto

Pode-se afirmar que o partido, dentro desse ambiente, já estaria perdendo as eleições de 2014? “É impossível fazer uma avaliação desse tipo”, afasta Speck, que faz uma ressalva: “Qualquer candidatura que se esboce será objeto da mesma fragmentação, da mesma coalizão de vetos que Alckmin e Serra sofreram nas campanhas”.

Os políticos ligados a Aécio Neves falam em “refundação”. Mas há bastante água para rolar debaixo da ponte. É preciso considerar, por exemplo, a recriação de novas bandeiras ou a definição de Gilbero Kassab (DEM), prefeito de São Paulo, aliado de Serra, que prepara sua ida para o PMDB de Michel Temer. A tendência é que seja realizado um trabalho de reforço nas bases partidárias, a partir do primeiro semestre de 2011, conforme explicou o deputado federal Luiz Paulo Vellozo (PSDB- ES), após deixar a esvaziada reunião da Executiva Nacional do partido, em Brasília, em 18 de novembro: “Temos que organizar os diretórios municipais em todos os 5.600 municípios do Brasil, e trabalhar em uma agenda vinculada ao poder local”.

Do total de oito governadores do PSDB eleitos, apenas dois comparecem à reunião: Teotônio Vilela, de Alagoas, e Anchieta Júnior, de Roraima. Aécio Neves continuava em viagem. Arthur Virgílio (AM) e Álvaro Dias (PR) não participam do evento por problemas de saúde. Naquele mesmo fim de semana, José Serra iria ao show do Paul McCartney, no estádio do Morumbi, acompanhado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

“Mandar o recado para as bases, que é uma mensagem social-democrata para quem faz política nas cidades, para os jovens e mulheres, sindicalistas e empreendedores”, acrescenta Vellozo. Esse trabalho de regionalização do partido deve ultrapassar as barreiras do Sul e do Sudeste do país, na visão da senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), que coordenou a agenda do candidato Serra na campanha. Ela prega a transformação priorizada nos estados onde a derrota foi maior. “Precisamos melhorar, principalmente, com os nordestinos, ainda distantes e desconhecedores dos nossos ideais.” 
 
Antônio Imbassahy, presidente do PSDB-BA, concorda com a tese da senadora. Segundo ele, é preciso “lutar contra a deficiência que o atual governo fixou no Nordeste, e mostrar aos nordestinos propostas para o desenvolvimento real da região”.

Na eleição presidencial, o PSDB venceu nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste, e, portanto, sai fortalecido com os resultados de 2010. “Mais forte do que entrou”, segundo o sociólogo Bolívar Lamounier, autor do livro “Os Partidos e as Eleições no Brasil”, em coautoria com Fernando Henrique Cardoso. Ele relembra que as pesquisas anunciaram uma vitória arrasadora de Lula-Dilma logo no primeiro turno. Mesmo com os problemas internos e a influência do atual presidente, a diferença foi menor. “Falavam em 15 ou 20 pontos de vantagem. O que não aconteceu. A eleição chegou ao segundo tempo. E a diferença ficou em 12 pontos”, pondera.

A única certeza a respeito do resultado das eleições é que Serra saberá atuar nos próximos anos, mesmo sem um mandato eletivo. Bruno Speck acha que “a carreira política de Serra passou o pico. Ou ele se retira da construção eleitoral, ou disputa a próxima eleição municipal” -algo que é pouco provável. O ex-governador de São Paulo teria se irritado com as especulações de que voltaria à prefeitura, ainda que isso pudesse dar a ele elementos para disputar, por exemplo, o Senado em 2014. “Os cargos executivos se esgotaram para ele”, conclui Speck.

“Naturalmente, o PSDB não vai poder dispensar a experiência de Serra; Tasso [Jereissati], [Arthur] Virgílio e Fernando Henrique, que não precisam de mandato”, segue Nárcio Rodrigues, incluindo o ex-candidato ao clube dos políticos que já viveram o seu tempo. “Serão sempre muito bem recebidos, como um partido que tem realmente neles grandes conselheiros. Sempre serão levados em consideração e têm contribuições a dar.”

Descer do salto alto

Em meio a uma série de compromissos pessoais e uma agenda apertada, o “sacerdote” tucano Fernando Henrique Cardoso – único presidente da República do partido e que derrotou Lula por duas ocasiões, em 1994 e 1998 -, analisou o ambiente. “Estive ontem [21/11] com Serra no estádio do Morumbi, assistindo ao show do Paul McCartney, e ele estava de muito bom humor”, disse.

Para FHC, o PSDB deve descer do salto alto, por ter perdido três vezes a Presidência da República, e deve se articular com a sociedade, o que é uma “preocupação predominante”. Com a vitória em estados importantes -dentre os quais, São Paulo, Minas Gerais e Paraná – seria preciso haver coordenação do conjunto dos governadores para exprimir uma unidade de pensamento.

“Temos que estar atentos à questão democrática. Acreditar que haja uma espécie de renascimento. Por um lado, do populismo baseado na imagem do Lula, e por outro, uma espécie de fúria sindicalista corporativa para ocupar espaços.” Seria preciso, segundo ele, “insistir na ligação com as políticas sociais, quase todas originárias do meu período. É preciso evitar essa ideia de que o PT é do povo, e nós, das elites. Nunca vi elite ter 44% dos votos”, indica o ex-presidente.

Sobre a fundação do partido, em 1988, FHC nega que a ideia tenha surgido em torno de projetos pessoais. E lembra que poderia ter sido presidente do Congresso pelo PMDB, mas abandonou a sigla, abrindo mão do poder. “Ulysses Guimarães insistiu comigo: ‘Por que você vai embora? Pode se tornar presidente do Senado’. E eu era líder. Havia uma expressão muito usada, de que o PMDB era um ‘partido-ônibus’. Uma geleia geral. O PSDB foi criado para ter uma distinção frente a essa coisa.”

Fernando Henrique acredita, porém, que houve unidade total na campanha de 2010. “Diziam que o Lula era arrasador, porque tinha 80% de aprovação. Mas na hora de a onça beber água, não é bem assim. Podia ter perdido.”

E a partir de agora, quem será o candidato? “É muito difícil saber. Eu não tinha a menor chance de ser presidente até virar Ministro da Fazenda. E eu nem queria ser. Mas fui duas vezes”, explica FHC. “Aécio saiu muito bem dessa campanha, se elegeu senador, elegeu o governador, se comportou direito, é jovem, tem carisma. Tem condições.” E o ex-presidente fala com a autoridade de ser o único tucano que já chegou lá. “Só eu não fui derrotado. Todos já foram derrotados.”

E o que Mário Covas, falecido fundador e um dos maiores ícones do PSDB, diria sobre a atual situação do partido? “Covas sempre teve uma frase”, relembra Fernando Henrique. “‘Antes de mais nada, precisa ter unidade’. Ele sempre achou isso.” Pelo visto, Covas estava mesmo certo.

Comentários