Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 02/Nov/2010 às 00:09
10
Comentários

Repúdio aos preconceituosos: a divisão norte/sul não pode ser maximizada

Por Andrea Grace
Não sou uma pessoa que costuma envolver-se em polêmicas ou declarar seus posicionamentos de forma ferrenha, pois acredito na palavra “Democracia” em toda a sua extensão e profundidade. Entretanto, diante de alguns – para não dizer centenas – de comentários que li via twitter, decidi escrever essa carta.         
No último dia 31/10, dia em que o Brasil votou e elegeu a sua primeira presidente mulher – um avanço para o nosso país- os nordestinos foram extremamente desrespeitados e discriminados por terem sido os protagonistas do resultado eleitoral nacional. Comentários como “pessoas sem esclarecimento”, “sem acesso a informação”, “alienadas” foram difundidas, em pleno século XXI, apregoando uma ideia ridícula de segregação do norte e nordeste, em relação ao resto do país.

Para surpresa de alguns desinformados que twitaram tais absurdos, nós nordestinos conseguimos ler, fato que alguns julgaram impossível, pois acreditavam que no nordeste “ninguém sabia nem o que era twitter”. Engraçado é que muitos nordestinos acessam o twitter, o orkut, o facebook e os seus blogs, a partir de notebooks, netbooks, Iphones e Smartphones que, pasmem, nós sabemos o que é cada ferramenta dessa e trabalhamos a ponto de ter acesso a comprá-los, inclusive através dos websites do sudeste. É… os correios também atendem à região nordeste…

Além disso, escrevo de uma cidade do interior paraibano – Campina Grande- situada entre as nove cidades tecnológicas do mundo, segundo a revista NewsWeek (vide: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=7202)., exportando tecnologia da informação para países, como Espanha, EUA e China.  Ademais, somos a primeira cidade do Brasil a dominar a tecnologia do plantio de algodão colorido ecologicamente correto. Vivemos num estado, assim como todos, com uma indiscutível má distribuição de renda, fato que não impede que campus de universidades particulares e públicas ofereçam oportunidades de acesso ao ensino superior a todas as classes sociais.
               
O que mais me assusta é que, diante de pessoas que se declaram tão superiores e esclarecidas, nós nordestinos demonstramos mais poder de decisão e escolha, pois não nos guiamos pelas opiniões alienantes e oligárquicas difundidas pelos principais meios de comunicação nacional.  Fato que também deve estarrecer os mais desinformados, pois nós aqui temos televisão, inclusive de plasma, LCD e de LED, e recebemos os sinais das principais redes de televisões do Brasil, sem falar que nos mantemos informados também através de tvs à cabo – mais de uma empresa? – pois é… isso pode ser um tanto quanto impactante para alguns habitantes da parte inferior do nosso mapa brasileiro.

O que observamos é que o Brasil, nesses últimos quatro anos, assistiu a uma expansão do ensino superior, a uma diminuição da miserabilidade do país, a uma estabilidade econômica e a uma descentralização da distribuição de recursos federais, e isso foi determinante, acredito eu, para a escolha verificada com tanta revolta por alguns. A demagogia, o autoritarismo, os sorrisos forçados, a imagem da oligarquia não satisfaz mais a um povo que já sofreu muito com a falta de um olhar de credibilidade para a nossa região.
E para aqueles que não acompanharam muito de perto os resultados eleitorais por região, os estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, localizados na região Sudeste, também elegeram a candidata petista.
Apesar da grande votação da candidata petista na região nordeste, essa decisão não foi tão unâmime como todos pensam, pois em Campina Grande, repito, na Paraíba, o candidato José Serra teve mais de 60% dos votos.  O que prova que democracia é uma palavra que, além de exigir respeito, é imprevisível.
Por tudo isso, venho com todo o meu sentimento de pesar, pelos comentários lidos, não defender um candidato ou outro, mas defender o povo nordestino que possui o direito de votar, bem como todas as demais regiões possui, e esclarecer, àqueles que acreditam em sua superioridade de reflexão e tomada de decisões, que os nordestinos não são a escória do Brasil, mas que contribuímos economicamente com o nosso país e merecemos receber em troca investimento e respeito.
Aconselho também, a tais pessoas e às que pensam como elas, a conhecer o Brasil como um todo, antes de denegrir as pessoas, baseados em informações frágeis e opiniões preconceituosas. Quem não conhece o nordeste, não acredite em tudo que é veiculado pela televisão: venha aqui e se encante!
Andrea Grace
(Nordestina, paraibana e mestranda em letras pela Universidade Federal de Campina Grande)

Comentários

  1. dbacellar Postado em 02/Nov/2010 às 04:10

    Do Nordeste do Brasil, só estive no Recife. Achei um lugar excelente, com gente muito hospitaleira. Não vou falar de capacidade de trabalho e de vontade de trabalhar, pois este é, na minha opinião, um tipo de discurso sectário. Posso dizer que estive lá a trabalho e voltei muito satisfeito, isso há 10 anos atrás.

    Depois disso, estive também a trabalho na Colômbia, no Peru e nas Antilhas Holandesas. O que pude perceber é que somos todos muito parecidos. As divisões entre nós são criação de uma propaganda que acredita em 'dividir para conquistar'. Nós somos os conquistados!

    Os paulistas são muito bons em sectarismo. Dividir para perder. Ouço falar mal de bolivianos, colombianos, nordestinos, gaúchos (eu, aliás, nasci no Rio Grande do Sul, mas vivo em SP desde meus 4 anos). Estou um pouco cansado disso. Sempre que se fala em Argentina, é para destilar ódio. Sei que não é só aqui, mesmo no Recife ouvi falar mal de baianos, por exemplo. Isso é bastante triste.

  2. Anonymous Postado em 02/Nov/2010 às 04:59

    sem os votos do nordeste e norte a Dilma ainda seria eleita. discussão sem necessidade.

  3. André Luís Postado em 02/Nov/2010 às 07:05

    Te fato... os vários comentários preconceituosos, mostra que infelizmente o Sr Sérgio Buarque estava errado, o Brasileiro não é o Homem cordial! Temos que nos unir, para a nossa evolução, para a verdadeira ordem e um real progresso.

  4. Anonymous Postado em 02/Nov/2010 às 10:26

    É que aqui em São Paulo, o fulano tem um carro e um empreguinho de escravo imbecil e já pensa que é rico.
    Não frequenta cinema, museus e teatro, o melhor que São Paulo tem...só vai a futebol, toma cerveja nos botecos cheio de gente que não quer ter acesso a cultura e informação de qualidade e acaba dando nisso...
    Infelizmente temos muito a fazer aqui na "grande metrópole", mas tem uma outra metade que pensa diferente e quer mudar este perfil infeliz daqui...
    A arrogância de São Paulo, algumas vezes enche o saco!

    Débora Pissarra

  5. Cynthia Postado em 02/Nov/2010 às 12:41

    Sou paulista e contra quaisquer tipos de preconceitos que possam existir. O preconceito nada mais é do que o julgamento de determinada pessoa sobre um assunto do qual não possui domínio, ou seja, preconceito é a opinião sem conhecimento.

    Em um estado democrático de direito, como é o nosso país, qualquer forma de manifestação ou prática de crimes que façam apologia ou incitem a intolerância a diversidade étnica, racial, social, à orientação sexual ou religiosa, deve ser rigorosamente punida nas formas da lei.

    Sem mais delongas,

    Cynthia.

  6. Andrea Bonfim Postado em 02/Nov/2010 às 13:26

    TEXTO EXCELENTE! Um dos melhores escritos até agora sobre esta questão! Parabéns a Andrea Grace!!! Eu, NORDESTINA, PERNAMBUCANA, BRASILEIRA, GRADUADA EM HISTÓRIA, GRADUANDA EM DANÇA E CIDADÃ DESTE PAÍS, ratifico aqui minha completa indignação aos preconceituosos que desconhecem a Lei nº 7.716/89, Constituição Federal, que prevê para os crimes contra a procedência nacional pena de até três anos de reclusão. Para aqueles que também se indignaram com os absurdos que estão sendo veiculados na WEB contra os nordestinos, podem denunciá-los por crime de xenofobia na internet: http://www.safernet.org.br/site/denunciar

  7. Anonymous Postado em 02/Nov/2010 às 15:29

    O preconceito existe e eu ja sofri.
    Morei na Bahia e tenho sotaque. Conheci meu namorado carioca na Europa. Fomos de ferias para Niteroi e fiquei horrorizada com o preconceito expressado em brincadeiras e piadas.
    Meu namorado ,apesar do amor que sente por mim,se incomoda de eu falar como bahiana. Outro dia soltou uma dizendo '' vc ja fala bem melhor o portugues depois que te conheci,seu sotaque nao é mais tao carregado"' ou "'essa palavra nao existe, isso é coisa de bahiano"' ou "'pior do que bahiano é fa de bahiano"'
    Tenho muita compaixao de sua ignorancia e jamais desejaria morar no Rio.

  8. Del Valle Postado em 03/Nov/2010 às 09:09

    Andrea, muito bem! Não há coisa mais ridícula do que xenofobia!Os twiteiros xenofóbicos também incluiram Minas Gerais! O preconceito maior, em todos os aspectos, é com Dilma/Mineirinha! Mas ela é forte!Abraço!

  9. Anonymous Postado em 05/Nov/2010 às 00:35

    Excelente texto.Devemos ter orgulho de nossa regiao e lutar por ela , inclusive votando em quem investe nela.O brasil nao é do shabitantes do sul ou do sudeste, o Brasil é de todos, um país de TODOS.Espero que a justiça condene a Desmiolada Mayara,assim ela aprendera mais das leis do Brasil q ela estuda ,mas n aprende.Aprenderá na pratica entao.

  10. Airton Barros Postado em 10/Nov/2010 às 21:31

    Eu acho excelente o texto, mas tb creio que negar essa divisao é uma hipocresia. A divisao existe e sempre existiu e funcionou muito bem porque uma das partes aceitava tranquilamente a posiçao de submissao. Agora que o norte-nordeste começa a emergir de igual para igual com o polo sul-sudeste o preconceito antes latente se manifesta. Cabe a nós nordestinos nao recuarmos na tarefa de exigir o tratamento digno que mereçemos. Nao sejamos ingênuos pensando que povo do sul-sudeste nos veem com bons olhos, podem a té negar mas o preconceito existe e é muito forte, sempre foi.