Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 06/Oct/2010 às 09:36
1
Comentário

Resumindo pecados

No texto de 26/07, apontamos que parecia “predominar em diferentes áreas da campanha da candidatura Dilma, inclusive no PT, a suposição de que a disputa está ganha e a vitória eleitoral é certa”. Na ocasião, consideramos que a candidatura Dilma continuava “empacada num inconfortável empate técnico” pelo que pareciam ser fraquezas de sua campanha. Os “lobbies do já ganhou” tendiam a paralisar as atividades fundamentais de qualquer campanha eleitoral: “o contato direto, diário, incansável, com as principais camadas populares do eleitorado”.
 
Além disso, achávamos que a candidatura Dilma parecia “presa a uma agenda positiva inflexível” que poderia ter “reflexos negativos” se não tivesse “flexibilidade para enfrentar positivamente os problemas existentes, principalmente aqueles relacionados com a vida do povo, deixando-os sem proposta, sem firmeza positiva diante dos ataques dos adversários, deixando-os sem resposta”. Serra e Marina estavam com “o mesmo discurso” de Dilma, “acrescentando a ele a crítica a problemas não resolvidos”. Portanto, era preciso “algo mais para conquistar corações e mentes”, como “propostas concretas para corrigir a política de juros altos, reduzir os tributos das pequenas e micro-empresas, melhorar a segurança pública, só para citar alguns exemplos”.
 
No texto de 23/08, sustentamos que as pesquisas, que apresentavam Dilma em condições de obter a vitória no primeiro turno, poderiam “ser fatais” para sua campanha. Embora Serra apontasse queda, Marina estava “em situação estável”, demonstrando que Dilma não a havia abalado. Assim, a possibilidade de vencer no primeiro turno apontava, naquele momento, “o aspecto negativo” de levar os partidos aliados de Dilma a suporem ganha a parada e se voltarem totalmente para suas próprias campanhas a governador e proporcionais, como era fácil de notar no horário eleitoral.
 
Nessas condições, o ritmo da campanha tendia a baixar, “abrindo a possibilidade de subida da Marina e recuperação ou estabilidade de Serra”. No dia 30/08, reiteramos a necessidade de a campanha Dilma manter o ritmo de crescimento e fazer ajustes, no sentido de realizar “uma ofensiva complementar, tratando com mais propriedade alguns temas que se tornaram cavalos de batalha na campanha Marina”.
 
Marina passara a concentrar “seu fogo e ataques ao governo em temas como reforma tributária, proteção ambiental, jornada de trabalho, segurança e liberdade de comunicação”. Essa crítica a fizera “conquistar parte do eleitorado de esquerda” e havia “carreado apoios a candidatos de outros partidos desse espectro político”. Mesmo sem ter bola de cristal, afirmamos que, “somados”, eles representavam “mais de 15% das intenções de voto”. Assim, “se a campanha Dilma desprezar o trato de tais temas, pode ser por aí que ela seja surpreendida”.
 
E foi por aí que ela foi surpreendida. Se quisermos resumir os pecados da campanha presidencial petista, podemos dizer que: (1) faltou uma estratégia clara de mobilização massiva; (2) absolutizou a defensiva estratégia, evitando ofensivas táticas indispensáveis, como no caso Erenice e nos ataques da grande imprensa, levando inclusive Lula a fazer um recuo; (3) deixou prevalecer o “já ganhou”; (4) faltou programa de governo, a ser defendido por todos os candidatos da base aliada, em especial os do PT, cujas campanhas na TV mal se diferenciavam das propostas despolitizadas dos candidatos do PSDB e do DEM; e (5) ocorreu uma fuga geral da discussão política.
 
Se a candidatura Dilma não quiser ser atropelada por uma derrota impensável e desastrosa para o país, seu segundo turno terá que ir muito além da defesa da “continuidade e avanço” do governo Lula. Terá que detalhar que avanço será esse em termos de medidas concretas. E tratar com firmeza as questões referentes a emprego, assentamento agrícola, estímulo à pequena produção agrícola e urbana, redução de juros e tributos, combate à corrupção, segurança pública, proteção e recuperação do meio ambiente, intensificação da educação, ampliação profunda do atendimento à saúde, políticas de promoção das mulheres e jovens etc. etc.
 
Só explicitando claramente respostas a essas questões será possível diferenciar o desenvolvimento sustentável e o crescimento econômico democrático e popular do “desenvolvimento” proposto por Serra. Só dessa forma será possível fazer com que o povão entenda tal diferença e conseguir que parte considerável do eleitorado que migrou para Marina volte a ser atraído para a candidatura Dilma.
 
Wladimir Pomar é escritor e analista político.

Comentários

  1. Lex Postado em 06/Oct/2010 às 10:35

    Tenho certeza que ela apenas discursará desmentindo o que circulou por aí sobre suas opiniões acerca do aborto, PLC 122 e PNDH-3 sem tomar nenhuma medida prática que reafirme sua suposta posição atual. O eleitor evangélico de Marina já está escaldado nessa questão desde à última eleição de Lula que usou o mesmo artifício.

O e-mail não será publicado.