Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 15/Sep/2010 às 23:31
0
Comentários

O velho filme das denúncias eleitorais

O roteiro é conhecido, o filme é velho, mas continua a ser exibido a cada quatro anos, quando se anunciam mudanças políticas no Brasil. É um filme B, de candidatos a canastrão, de poucas locações, mas ainda assim caro, muito caro, pelo preço cobrado e pelas repercussões na vida econômica do Brasil.

 
É uma película grossa, repleta de truques manjados, repetidos àexaustão, sem qualquer voo tecnológico ou design de jornadas nasestrelas, mas ainda assim eficaz como uma armadilha de sexo, cujo finalé sempre conhecido, mas ainda assim sedutor.

Os mais maduros já viram. Assim como neste setembro de 2010, quandoaparece a denúncia do vazamento do sigilo da pulcra filha de Serra,cuja pulcritude não conseguiu arrancar votos de Dilma, apesar doreforço da pulcríssima candidata Marina… assim como nestes últimosdias, quando surgiu mais um escândalo, desta vez para responsabilizar aCasa Civil do governo Lula, utilizando a ponte do filho da substitutade Dilma, que não está mais do governo, mas “aí tem coisa”, pois oslinks se fazem com lances de ilusionismo, não custa lembrar a últimaexibição desse arrasa quarteirão da guerra política.

Em setembro, Lula, que estava próximo a ganhar as eleições no primeiroturno, recebeu um golpe desse filme em 15 de setembro de 2006. O diadesse clássico da velhacaria não é certo. Mas o título, sim. Na suaversão de 2006, ficou conhecido “O escândalo do dossiê”. O certo é queem 16.09.2006 a Folha de São Paulo denunciou:

“PF prende petistas acusados de comprar dossiê anti-Serra

A Polícia Federal apreendeu ontem US$ 248,8 mil e R$ 1,168 milhão (R$1,7 milhão), em um hotel de São Paulo, em poder do petista ValdebranCarlos Padilha da Silva, empreiteiro mato-grossense, e de GedimarPereira Passos, advogado e ex-agente da PF. Eles estavam intermediandoa compra de vídeos, fotos e documentos que mostrariam supostoenvolvimento dos candidatos tucanos Geraldo Alckmin e José Serra com amáfia dos sanguessugas.”

A duas semanas do primeiro turno de 2006, um raio de Cecil B. DeMilleriscou os céus do Brasil. A hipocrisia e a malandragem se juntaram emuníssono. Com espaço aberto em toda grande imprensa, instigados, comodizem os jovens hoje, vieram as vozes dos varões de Plutarco:

“Pega ladrão! (A chantagem eleitoral de Lula)

JORGE BORNHAUSEN

SURPREENDIDO, o ladrão antecipa-se ao alarme e grita: “Ladrão!
Pega ladrão!”. Mistura-se aos seus próprios perseguidores e se livra dapolícia. (Ou então, numa variável da cena, usada como cortina cômicados picadeiros de circo de antigamente, o ator que faz o papel dodescuidista ou do sedutor apanhado em flagrante de adultério grita”Fogo! Fogo!”, e aproveita a confusão pra fugir.)..
.

Heloísa compara PT a facção criminosa por elo com dossiê

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM GOIÂNIA DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

A candidata do PSOL à Presidência Heloísa Helena classificouo PT como “organização criminosa” ao comentar, ontem, a participação demembros do partido na compra de dossiê contra tucanos.

É mais prático afastar Lula, diz Alckmin

O candidato do PSDB a presidente, Geraldo Alckmin, afirmou ontem,quando questionado sobre a série de demissões no PT e no governoprovocadas pelas crises políticas, que é ‘mais prático afastar o Lula’.

Cinco ministros afastados, indiciados, denunciados, a direção do PTenvolvida em escândalos, agora um novo. Eu acho que tem que afastar oLula, é mais prático”.

Mas faltava para a televisão a imagem escandalosa do crime. No dia 29de setembro, pela versão da mídia, uma “pessoa” (o criminoso em off)entrega aos jornalistas um CD com as fotos do dossiê. O Delegado daPolícia Federal de São Paulo, Edmilson Pereira Bruno, declara que foivítima de furto, ao contar que as fotos vazadas foram roubadas de suasala. Na verdade, desde 28 de setembro as fotos das pilhas de dinheirohaviam sido tiradas pelo próprio delegado. Em seguida, como se nãosoubesse de nada, deu entrevista dizendo que abriria investigação paradescobrir como as fotos foram parar na imprensa.

Era tudo de que precisava o filme do escândalo. O Jornal Nacional, nodia 29 de setembro, dois dias antes das eleições do primeiro turno, deuo furo, previsível, programado, das pilhas do dinheiro dos “petistas”.E Lula foi para o segundo turno.

Esse é o enredo, o roteiro. Esperamos não ter desta vez, nestes tempos da web livre, mais um campeão de audiência.

Uraniano Motta

Comentários

O e-mail não será publicado.