Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 04/Aug/2010 às 18:59
0
Comentários

PSDB e Serra: a tática do "vale tudo"

Joseph Goebels, chefe da propaganda nazista, ensinava : “repita uma mentira mil vezes que ela vira verdade”. A julgar pela tática adotada por Serra e seus aliados nesse início de campanha, fica evidente que a “turma” de FHC absorveu plenamente a orientação do fiel escudeiro de Adolf Hitler.
A direita brasileira nunca teve escrúpulos nessa matéria. Os exemplos são abundantes e se repetem monotonamente em todas as eleições.
Em 1989 Collor combinou as bravatas do “caçador de marajás” com a grotesca armação do “caso Lurian”. Com um aparatoso esquema de mídia conseguiu fazer crer que ele iria moralizar o país e livrar o país de um pai desnaturado, no caso Lula.
Em 1994/1998 FHC e seu “entourage” inauguraram a tática do medo e do terror político, desta feita associada a um virulento ataque ao estado paquiderme e a ineficiência do serviço público como forma de justificar privatizações e supressão de direitos trabalhistas e sociais dos trabalhadores. Repetiam, tal qual macaco amestrado, a receita de Hayek – o pai do neoliberalismo. Não eram sequer originais. Mas o neoliberalismo estava em “moda” e a tática funcionou.
Tentaram a mesma tática em 2002/2006 e apesar de todos os virulentos ataques contra o governo a tática não mais funcionou. O neoliberalismo já não empolgava como dantes. As privatizações se revelaram um desastre econômico e social. O escândalo do “valerioduto” acabou tendo efeito bumerangue. Ficou demonstrado que isso era uma invenção dos próprios tucanos, sob a liderança do então presidente nacional do PSDB, senador Eduardo Azeredo.
Em essência a tática da direita combina a tática do medo, do terror político, com apelo genérico à “modernidade” de gestão e um falso moralismo. A cada eleição acrescentam um novo componente.
Tudo isso cuidadosamente amplificado pelos meios de comunicação que lhes dão sustentação e apoio político.
No dia 26 de julho Serra falou para o “Grupo de Líderes Empresariais – LIDE”. Suas declarações são tão reacionárias que poderiam perfeitamente ser assinadas por George Bush ou algum expoente da Kukluxklan.
Dentre outras estão as seguintes pérolas: “até as árvores da floresta amazônica sabem que a Venezuela abriga as FARCs”. Uma declaração perigosa e que busca deliberadamente se isolar dos parceiros sul americanos. Não apresentou qualquer evidência de sua afirmação. Imaginem se o presidente Hugo Chávez resolve se valer do princípio da retorsão e devolve a provocação afirmando, por exemplo, que até o esgoto a céu aberto da marginal Tietê sabe da vinculação do governo de São Paulo com a facção criminosa denominada Primeiro Comando da Capital (o PCC). Um incidente diplomático teria sido criado graças ao desequilíbrio de Serra.
Depois se volta contra o Irã, contra Cuba, contra tudo que não diz amém aos Estados Unidos. Critica a política externa do governo Lula que buscou se relacionar de forma respeitosa com todos os países do mundo.
Serra, certamente, prefere a velha política de FHC de alinhamento e subordinação automática aos Estados Unidos da América.
Não satisfeito faz carga contra o Paraguai e a Bolívia. Revela abertamente seu desprezo e arrogância em relação aos países de economia mais frágil. É contra tanto o reajuste da tarifa de energia do Paraguai quanto o alinhamento do gás da Bolívia. É a síndrome do vira-lata: valente só contra os fracos.
Mais ainda faltava o velho mantra da direita: criminalizar os movimentos sociais. E Serra não se fez de rogado. Atacou o MST, a quem classifica como um partido revolucionário, insinuando que numa eventual vitória de Dilma haveria mais ocupação de terra.
Conclui seu libelo de forma previsível: criticando a “gastança” do governo. Ou seja, num eventual governo Serra nada de reajuste de salário mínimo acima da inflação, nada de bolsa família, minha casa minha vida, luz pra todos, abertura de escolas técnicas e novas universidades federais e mesmo obras essenciais a cargo do governo. E esqueça, obviamente, esse negocio de reajuste para servidor público. Isso tudo é gastança, segundo Serra.
Diferente do que Serra preconiza a vitória de Dilma assegura paz e tranqüilidade no campo. Não porque o MST, CONTAG ou MCC, dentre outros, deixariam de lutar. Mas porque esses movimentos sabem que com Dilma eles podem dialogar, com a turma de FHC é a repressão. E nós vimos como ela não funciona quando a própria fazenda de FHC foi invadida no seu governo. Com Serra haveria, sem dúvidas, uma radicalização crescente tal qual no período FHC. Os massacres de Corumbiara e Eldorado dos Carajás são recentes demais para que alguém já tenha esquecido.
Mas fica a dúvida. Até onde eles são capazes de ir para tentar viabilizar o projeto Serra presidente?
Do que se viu até agora fica a impressão de que eles não têm limites. Vale qualquer coisa: da grotesca acusação de que Dilma tem ligação com as FARCs e o narcotráfico à cantilena surrada da teoria do medo com o incêndio do campo. As opiniões de Serra revelam o conteúdo de classe da direita, o qual eles conseguem mascarar nos momentos de relativa tranqüilidade e que se mostra na sua inteireza no “fogo da luta”, pois, como já dizia Lênin, só se conhece o verdadeiro caráter de uma pessoa no combate, na luta.
Eron Bezerra

Comentários