Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 18/Jul/2010 às 15:53
0
Comentários

A ocupação silenciosa da Costa Rica pelos EUA

Um ano após o golpe de Estado em Honduras os EUA prosseguem a senda desenfreada de militarização do continente americano. A última investida corresponde à ocupação silenciosa da Costa Rica. 
Os fatos são simples: com o apoio da presidente da Costa Rica, Laura Chinchilla, o parlamento do país centro-americano aprovou há dias um “acordo de segurança” com os EUA que prevê a entrada no seu território de sete mil soldados norte-americanos que se farão acompanhar por cerca de 50 navios de guerra, incluindo um porta-aviões, e mais de duas centenas de helicópteros e aviões de combate.

A razão invocada para a deslocação do impressionante aparato bélico é no mínimo risível – o combate contra o narcotráfico. Ainda mais quando se sabe que os EUA são o maior consumidor mundial de drogas e que a Colômbia e o Peru, países que se encontram na órbita estadunidense, são os dois maiores produtores mundiais de cocaína.

Estratégia bélica

O caso é muito sério. Depois da reativação da IV Frota para a América Latina, ainda com Bush, e do afastamento do presidente Zelaya, já com Obama, os EUA estabeleceram mais sete bases militares na Colômbia, recuperaram a estratégica presença militar no Panamá – um dos resultados imediatos da eleição presidencial em 2009 de Martinelli –, invadiram o paupérrimo e destroçado Haiti e ampliaram a presença militar em Honduras, onde sob a fachada democrática resultante de umas
eleições fraudulentas segue a campanha de violência e assassinatos do poder golpista.

A literal ocupação da Costa Rica – sem direito ao estatuto de notícia no “grande espaço mediático” – é particularmente escandalosa, pois, ao que se sabe, a Constituição ainda vigente em San José proíbe a presença de forças armadas no seu território, que aboliu em 1948, e proclama o país como zona de paz.

Contraofensiva dos EUA

É certo que políticos como o anterior presidente, Óscar Arias – o eterno mediador do imperialismo – nunca regatearam esforços em melhor servir os interesses dos EUA na zona do seu «quintal das traseiras». Foi sob a sua alçada e não obstante o forte repúdio popular que a Costa Rica implementou em 2009 um Tratado de Livre Comércio com os EUA. É na sua esteira que Chinchilla, em cujo currículo consta o fato de ter trabalhado para agências ligadas à CIA, como a Usaid, e que tal como Arias integra a Internacional Socialista, pactua agora para transformar a Costa Rica num chinelo do imperialismo.

Trata-se de mais um relevante sinal da contraofensiva dos EUA na América Latina, cujo raio de ação não está circunscrito à obstinação em criar uma zona tampão na América Central e à ameaça direta aos governos da FSLN e FMLN, na Nicarágua e El Salvador.

A preocupação central a que o Pentágono tenta dar resposta tem como foco principal os processos de resistência, acumulação de forças e mesmo transformação que se desenvolvem na América Latina.

Bloqueio e conspiração

Obama prossegue assim o bloqueio contra Cuba e intensifica a conspiração contra a Venezuela e demais países da Alba, ao mesmo tempo em que apoia a agenda da grande burguesia, como mostram os casos do Brasil e da Argentina. Reverter e derrotar as singulares experiências de transformação revolucionária e desarticular os diferentes espaços de integração latino-americana é condição essencial para a recolonização imperialista do subcontinente.

A irreprimível ambição de hegemonia absoluta obriga doentiamente a economia mais endividada e parasitária do mundo a canalizar verbas astronômicas para a guerra.

Munidos da doutrina do Ataque Imediato Global, porta-aviões e forças navais da superpotência imperialista sulcam os mares do mundo, das águas do Golfo Pérsico e costas iranianas até as cercanias da China.

Em plena crise do capitalismo, crescem exponencialmente os perigos do imperialismo e a máquina bélica dos EUA precipitarem novos focos de tensão e Guerra. Realidade a exigir impostergáveis e efetivas respostas em defesa da vida e da Paz.

Texto de Luiz Carapinha, intelectual português e analista político

Comentários